top

 

 

 

Treze microcontos  

 Martha Argel  

 

 

 

 

Isabela ia cruzando a rua quando seus olhos encontraram aquele homem na calçada em frente. Encantada pela figura dele, nem notou a lotação que vinha a mil, e que a atropelou.

Pedro seguiu em frente, sem saber que aquela que deveria ter sido o grande amor de sua vida acabava de morrer debaixo das rodas de uma kombi velha.

 

~ o0O0o ~

 

A menina jogou a bola colorida para cima. O mundo onde ela morava era tão pequeno que deu a volta inteira ao redor de si enquanto a bola subia e descia, e ela caiu de novo nas mãos da criança.

 

~ o0O0o ~

 

Alonzo parou num posto de beira de estrada para esticar as pernas. Lavando as mãos no banheiro, olhou-se ao espelho e não viu seu reflexo. Ele não sabia, mas tinha morrido num acidente trinta e dois quilômetros antes.

 

~ o0O0o ~

 

Eles trocaram o primeiro beijo de eternos enamorados.

No meio do beijo ela descobriu que não o amava mais.

Levantou-se, saiu da sala e eles nunca mais se viram.

 

~ o0O0o ~

 

Em sonho, Deus falou a Tadeu.

– Pede, filho, o que quiseres.

– Um pizza de brócolis com muito alho e um guaraná diet gelado.

Deus nunca mais lhe apareceu.

Mas também, a pizza estava fria e o guaraná, quente.

 

~ o0O0o ~

 

O Professor, PhD e coisa e tal, passou o dia em sua sala sem conseguir ler nada.

No dia seguinte, cedinho, a faxineira percebeu a lâmpada queimada, e a trocou.

 

~ o0O0o ~

 

Edgar acordou no meio da noite e soube que havia uma barata em seu quarto. De medo, não conseguiu adormecer outra vez.

Mas então caiu em si e pensou “bobagem, medo de um insetinho, eu?”

E aí dormiu.

Na mesma hora a barata veio, fez cocô em sua boca e roeu a sua orelha.

 

~ o0O0o ~

 

Há muito tempo, na velha China, um príncipe morava em um palácio tão grande que ele não o conhecia todo. Ao cumprir dezoito anos, comunicou a seu pai, o imperador, que tinha o desejo de percorrer todos os cômodos do palácio.

O imperador se entristeceu, mas não se opôs. O príncipe despediu-se de seu pai e de sua mulher e partiu.

Quando retornou à sala do trono, foi recebido com grande júbilo, e o imperador, seu neto, lhe contou que há mais de meio século ele havia sido dado como morto.

 

~ o0O0o ~

 

Juliana viu, pela janela, duas andorinhas no céu, e desejou voar.

Fechou os olhos e voou para sempre.

Quando abriu os olhos, e viu que ainda tinha o almoço por fazer, ela chorou.

 

~ o0O0o ~

 

À frente do carro de Miriam, a estrada mergulhava no nevoeiro. Ela acelerou e foi engolida pela bruma.

Quando saiu do outro lado, séculos depois, voava alto. Tinha asas, o corpo coberto de plumas azuis, uma juba negra e leonina, e uma cauda de serpente.

Ela havia conseguido. Estava de volta em casa.

 

~ o0O0o ~

 

O homem santo seguia devoto a trilha que atravessava a montanha. Ao dobrar uma curva deparou-se com um imenso dragão da cor do fogo, que lhe bloqueava o caminho.

Sem vacilar ou diminuir o passo, o homem santo se pôs a escalar o paredão rochoso que margeava a trilha, na intenção de contornar o monstro colossal.

– Pequeno homem, não tens medo de mim? – perguntou intrigado o dragão, com voz possante.

– Não, pois minha fé em meu Criador me protege dos males do mundo – redargüiu o homem santo, sem interromper a escalada.

– É mesmo? – disse o dragão, e esticou-se, e colheu o homem santo entre as mandíbulas, mastigando-o bem e engolindo-o todo de uma vez.

– Carne magra, e fraca – reclamou o dragão. E arrotou.

 

~ o0O0o ~

 

Anabel queria dormir mais um pouco, e assim fez um feitiço para que o sol nascesse uma hora mais tarde. Mas Anabel ainda era aprendiz no ofício das bruxas, e o sol não nasceu na manhã seguinte, e nem nas outras.

Anabel não despertou, e dorme até hoje, como dorme toda a humanidade. Cheguei a crer ser o único a estar desperto, mas está claro que não, já que você está lendo este relato.

 

~ o0O0o ~

 

Na escuridão da noite, Jonas acordou e ficou paralisado de terror com o monstro que o espreitava atrás da porta. Mas ele se lembrou de ter pendurado ali o capote, antes de dormir.

Suspirou aliviado, e então o monstro saiu de detrás da porta, e o matou e comeu.

   

 

alto da página

Meus contos